31 março 2011

Aqui nesta terra, tudo o que se planta dá!


Depois de um tempo de abandono, volto ao meu amado "Chão de Sementes" tendo consciência de que construo aqui muito mais que um blog, mas algo muito maior, muito mais profundo e complexo. Olhando as postagens antigas, pude identificar nas entrelinhas do que eu escrevi diversos momentos da minha vida. Pude enxergar meu crescimento emocional, a mudança na minha maneira de pensar, de me expressar, e principalmente: a mudança do meu olhar perante o mundo e as coisas. A vida é construída nas entrelinhas. Muitas das minhas entrelinhas estão aqui.

E escrever sempre foi para mim muito mais que um simples passatempo. Escrever para mim é paixão, é desabafo, é construção, é me colocar no lugar do outro, é mergulhar em um mundo, em um universo que não é o meu. Já dizia Fernando Pessoa: "O poeta é um fingidor./ Finge tão completamente/ Que chega a fingir que é dor/ A dor que deveras sente"

Escrevi muito durante este período de ausência, nunca deixei de escrever, e com o tempo irei postando alguns de meus rabiscos. Entretanto, neste ano de 2011, quero dar ao blog novos ares, um tom mais pessoal e individual, torna-lo um pouco mais meu, postando além do que eu escrevo, as coisas de que eu gosto de ler, meu autores preferidos, as canções que me tocam, enfim.

Essa sou eu. Totalmente desconstruída ao construir minha vida, que no fundo, no fundo, não passa realmente de um Chão de Sementes. Assim como a vida de todo o resto do mundo. Plantamos milhares de sementes, esperando que ao menos algumas delas brotem. E brotam: não há lugar mais abençoado para semear e colher do que o nosso coração. Aqui nesta terra, tudo o que se planta dá!