14 setembro 2008

Última folha do outono

E eu fico vendo o que eu sinto por você ir acabando aos pouquinhos. Como a última folha caindo no outono,ontem eu derramei a última lágrima por você,simples,salgada,doída.

Como me doía ver você,hoje já não dói mais.Sinto mesmo um acréscimo de estima por mim,meu ego se aflora,por saber que eu posso sim viver e continiuar seguindo minha estrada.

Há algum tempo atrás poderia dizer que a minha felicidade estava ligada à algo ou alguém. Hoje sinto que não,não mais ,ser feliz é pra mim.Eu nasci pra essa tal felicidade,eu nasci pra caminhar e trilhar meu caminho sozinha.

E quando eu ia no telefone,só pra ver se ele estava fora do gancho ou cortado porque você não me ligava.Não estava.Doía tanto.Isso é passado,um passado distante e tão remoto.Um novo livro esta sendo escrito por mim,ou melhor,um novo capítulo.Tão simples como tempestade de verão,complicado como nevar em um país tropical.

O que mais me machucava eram o seus silêncios e hoje, já não me dói mais.
Se eu calei foi por tristeza,você calava por calar !

______________________________________________________________________________
"Joguei sobre você tantos medos, tanta coisa travada, tanto medo de rejeição, tanta dor. Difícil explicar. Muitas coisas são duras por dentro."

Caio Fernando Abreu
________________________________________________________________