26 novembro 2008

Não segure minhas mãos

Sentia se angustiada,precisava dizer aquilo para ele ,e então sentou-se a sua frente,o olhou dentro dos olhos e disse pausadamente:"-Bem,quero te dizer que eu faço apenas o que eu quiser fazer.Estou cansada de você querendo me dizer o que devo ou não devo fazer,do modo que eu devo me vestir,comer,os lugares que eu devo ir.Cansada de todas as suas manias,seus preconceitos,sua arrogância,seu menosprezo,toda a sua fé besta no amanhã.O caminho que eu devo trilhar,entenda,só cabe a mim decidir.

Não segure minhas mãos.Atravessar a rua é tão simples.Não preciso de ninguém para segura-lás.

Eu não preciso de nada morno,na metade do caminho.Eu quero gelado ou quente.Me entende?

Aliás,eu nem vejo motivos para escutar esses seus conselhos.O que eu acho errado mesmo é ter esse seu medo absurdo de errar."


Saiu do apartamento se sentindo mais mulher do que nunca e dizendo baixinho para si mesma: "-Liberdade eu quero que esse seja o meu nome."